A IRMÃ CRENTE DA MINHA NAMORADA

A IRMÃ CRENTE DA MINHA NAMORADA

A tempos que eu conheço a Simone, vou tentar descreve-la, ela é baixinha 1.55 m se tanto, bem magra, não deve ter 50 ks, nunca perguntei o peso dela, mas ela tem o corpo bem proporcional a sua altura, ela é magra mas não é daquelas magrelas secas, ela é bem gostosinha, eu a conheci através da irmã dela que se chamava Ana Paula, foi ela que nos apresentou quando a Simone foi em sua casa visita-la e eu estava lá, irmã essa que por sinal eu já sai umas duas ou três vezes… alias eu estava lá na casa da Ana Paula  justamente porque a gente tinha combinado de almoçar fora juntos, mas ao chegar lá a Paula me falou que a irmã tinha ligado e iria passar a tarde com ela então iriamos almoçar todos juntos..  por volta do meio dia e meio ela chegou, ela e suas dias filhas, uma de 9 anos outra de 13, passamos a tarde conversando quando ao cair da tarde ela falou que tinha que ir embora porque tinha que pegar dois ônibus e um trem na cidade da periferia que ela morava, perguntei qual ela respondeu  Suzano, como eu moro na zona leste a Paula me falou que eu bem que poderia dar uma carona pra Simone, então pra fazer uma média com a Paula aceitei levar ela  e as filhas, no caminho descobri que ela e as filhas, dava pra perceber que elas  eram crentes, dava pra ver logo de cara pelas roupas que elas usavam, e tb pelos cabelos compridos, enfim foi assim que nos conhecemos.

Depois disso nos vimos outra vez na casa da Paula, dessa vez era uma quinta feira a tarde véspera de um feriadão prolongado e dessa vez a Simone não estava  com as filhas  perguntei porque as filhas não vieram ela me respondeu que tinha deixado na casa da avó, que elas iriam passar os três dias lá que só tinha vindo traze-las, aproveitou pra passar na casa da irmã que não era longe,  novamente nós três passamos o resto da tarde juntos  e como estávamos só em adultos  a conversa estava animada e fluiu  pro campo da malicia, a Paula que era muito liberal e desbocada  provocava-a sempre que podia  falando coisas picantes a nosso respeito na hora do rala e rola, tais como oral e anal, a certa altura a Paula olhou pra irmã e em tom de deboche falou, …  a Simone não gosta disso ela é crente… e deu uma gargalhada, apesar de tímida eu  notei um interesse disfarçado na Simone sobre o assunto, a conversa  rendeu tanto que fiquei de pica dura, não por causa da Paula que eu já andava comendo direto mas pela Simone que  parecia envergonhada e aquele jeitinho tímido e de pura dela me deixava ainda mais excitado, mesmo porque ela era gostosinha e porque era casada, mulheres casadas me atrai, e  já naquele momento comecei a pensar em uma maneira de comer aquela baixinha.
Ao cair da tarde dessa vez fui eu quem ofereceu uma carona,  e ela como da vez anterior aceitou, aquela mulher mexia comigo, e eu feliz da vida só pensava em uma forma de tirar proveito daquela situação, como o trajeto era longo dava mais de uma hora de viagem fomos conversando e eu  a certa altura dei um jeito de voltar ao assunto da tarde, que pra variar era sobre sexo,, notei ela continuava tímida e não se soltava, mas eu continuava provocando, perguntei se ela e o marido não faziam que nem a gente, ela não quis responder mas por minha insistência ela acabou dizendo que não, que para o marido sexo era só da maneira tradicional, eu disse-lhe voce não sabe o que é bom e coloquei mais lenha na fogueira, mas ele nunca te fez um oral?? … Não!!,  Voce não sabe o que tá perdendo, me diga  o que você acha disso?? Ela timidamente respondeu deve ser bom né, eu rapidamente falei é muito bom… pena que você nunca experimentou, ela finalmente disse algo que eu queria ouvir quando ela suspirou e falou… experimentar como se o meu marido não admite, sexo pra ele é só pra reproduzir… eu mais que rapidamente falei mas se voce quiser mesmo não precisa ser necessariamente com o marido … e completei eu por exemplo adoraria te ensinar, que voce acha da ideia?? …. Ela  abaixou a cabeça esboçou um tímido sorriso e falou  vc é maluco isso sim… não se esqueça que você namora minha irmã e eu sou casada, não perdi a chance e falei sabe Simone, desde a tarde eu estou sentindo um desejo enorme por você…, ela me disse pra parar e repetiu eu sou casada, só que eu não desisti e falei, só me responda você não gostaria de ter uma experiencia assim… ela timidamente falou.. até gostaria se pudesse, mas não posso e vamos mudar o rumo da conversa, eu então falei Simone olha o sexo pode ser muito gostoso, ela respondeu, eu não sei se conseguiria fazer sexo sem amor, novamente eu rebati, e quem disse que pra fazer um sexo bem gostoso e prazeroso tem que necessariamente ser casados ou namorados, o gostoso está justamente na excitação, na adrenalina aposto que você deve estar excitada, pra não dizer com a calcinha molhada depois de tudo que eu te disse, ela respondeu..  isso você nunca vai saber, eu continuei e falei que você faria se por exemplo eu decidisse agora entrar num motel com você…. ela me pareceu em duvida pensou um pouco e disse nem tente, eu nunca fui a um motel, nem sei como é um por dentro e também  porque eu desceria do carro na hora, como não vi muita convicção nessa resposta decidi arriscar.
Aquela indecisão dela  me encorajou a tomar a atitude,  no caminho a gente passava por alguns motéis e na minha cabeça eu decidi arriscar tudo e entrar num deles, quando embiquei meu carro na portaria e pedi uma suite ela quase teve um ataque, implorou pra eu sair dali, quis descer do carro mas como meu carro tem trava elétrica e eu tinha baixado o botão de desabilitar a abertura, ela falou que ia fazer um escândalo, eu então falei pense bem… se você fizer um escândalo o pessoal vai começar a aglomerar-se e eu vou dizer que você concordou mas desistiu na hora H por isso tá fazendo escândalo e vai ficar ainda mais feio pra você do que entrar comigo, vai que chamem a policia,  vai que a gente acabe numa delegacia, alem do mais eu te prometo, vamos entrar e lá dentro a gente conversa melhor, se você realmente não quiser nada acontece,  então acho que ela ficou com mais medo ainda do escândalo do que de entrar,  ela acabou abaixando a cabeça resignada como quem diz não tem jeito mesmo, peguei a chave da suite… entrei na garagem,  ela não queria sair do carro peguei-a pelas mãos quase tive que puxar ela acabou entrando no quarto.
Dentro do quarto ela assentou-se na cama e ficou com as mãos no rosto, como quem estava envergonhada,  principalmente por estar dentro dum motel com outro homem que não era seu marido, tentei acalma-la  e comecei a acaricia-la e a passar a mão em seus ombros a fazer uma massagem relaxante, fiquei mais de meia hora conversando e tentando com que ela relaxasse, a certo momento deitei-a suavemente na cama
coloquei um travesseiro embaixo da sua cabeça, deitei-me ao seu lado e comecei a cariciar seu corpo por cima da roupa,  e comecei a passar a minha mão em seu corpo, mesmo por cima da sua roupa senti que sua pele estava arrepiada toda eu podia sentir quando passei a mão em seus seios, notei que eles estavam durinhos, não sei se de excitada ou de nervosa, ela ficou assim deitada na cama com os pés pra fora, olhei e vi a saia meio repuxada acima do joelho deixava transparecer suas pernas bem branquinhas, e estava com o pau completamente duro, minha vontade era de pegar ela ali e comer na marra, mas fui cauteloso porque eu queria comer aquela mulher mas não queria  deixa-la traumatizada, quando percebi que ela estava mais calma já aceitando meus carinhos, até que enfiei minha mão por baixo da sua saia e comecei alisar suas pernas e coxas, brincava com o dedo na barra da calcinha, enfiava um pouco e sentia seus pentelhos por baixo decidi  tirar a sua calcinha bem pequena por sinal, só que ela não facilitava, fechava as pernas, mas eu insistentemente fui arrancando aos poucos estava tão dificil que acabei rasgando, até que enfiei minha cabeça por entre as suas pernas e comecei a lamber a sua xoxotinha, que estava toda melada, ela estava excitada, não se se era do medo ou de prazer mesmo, mas o fato que ela estava melada… e eu dei um trato legal com minha boca até ela gozar…. sentindo que ela tinha gozado eu então levantei seu vestido e me coloquei entre suas pernas pra penetra-la, quando ela percebeu minha intenção ela se fechou toda, até então ela não tinha falado nada começou a falar que não poderia, pra mim não insistir ela era casada, era contra a religião dela, mas eu era bem mais forte então eu a comi praticamente na marra, mas o fato dela resistir me dava ainda mais tesão, enfiei meu pau até o talo e bombei forte e com certa violência até eu gozar…. como ela não facilitava as coisas pra mim eu nem coloquei a camisinha, foi sem camisinha mesmo até que eu gozei e sai de cima dela ela pareceu até mais aliviada, e me pediu que a levasse pra casa porque o marido esperava que ela chegasse até determinado horário que era o horário do ônibus… então eu parcialmente satisfeito paguei o motel e deixei ela no ponto de ônibus perto de casa e ela terminaria de chegar a pé, mesmo eu já endo levado ela uma vez até a porta dessa vez acho que ela estava achando que por causa do motel dessa vez sentia-se culpada.
Ela não ficou tão chateada assim comigo porque mantivemos contato as vezes eu ligava pra ela, as vezes ela ligava pra mim  apesar da gente se encontrar mais vezes não transei mais com ela, só que a gente sempre se falava por telefone, como eu morava em outra cidade eu sempre falava pra ela que não se preocupasse porque comigo ela não corria riscos, eu jamais iria estragar o casamento dela, jamais iria prejudica-la, como as filhas dela estudavam as duas a tarde e só chegavam na boca da noite, quando conversávamos por telefone eu falava que iria tomar um café na casa dela qualquer hora, ela sempre dizia que eu fosse sem problemas, mas eu relutava e falava que era arriscado como ela explicaria se alguém me visse, ela então falou não da nada de certa forma você é meu cunhado, mas eu tinha receio e falei que tal a gente tomar esse café no shoping.. eu a pegaria e a gente iria ao shopping, ela então falou que não, porque não confiava em mim, provavelmente eu iria querer leva-la a um motel e que em casa não correria riscos…. mas eu insisti tanto e falei pra ela que não se preocupasse, que daquele jeito não se repetiria mais, era só um café, mesmo assim ela disse melhor não, mas por insistência minha ela acabou aceitando com a condição de ser só o lanche e o café, claro que eu aceitei a condição, mas eu queria mesmo era seduzi-la de novo e na minha cabeça quem foi uma vez não seria difícil levar de novo ao motel, alias era esse o meu objetivo, então eu como quem não quer nada falei Simone, eu acho bem elegante uma mulher de salto alto e meias escuras, quero que você vá bem elegante, fiz isso de proposito porque se ela fosse, certamente era pra me agradar e se fosse pra me agradar já era meio caminho andado.
Marcamos para eu pega-la ai meio dia e meio porque as filhas só chegariam por volta das 19 hs e o marido as 23, então teríamos a tarde inteira a nossa disposição, combinamos que eu a pegaria  no mesmo ponto que a deixei na vez anterior, ao ve-la a primeira coisa que observei é que ela estava com um saltinho e usava uma meia fumê,n ao ver ela usando a meia escura que eu pedi logo entendi que ela tinha vestido-se assim pra me agradar isso significava que ela psicologicamente também esperava algo mais quente naquela tarde,  ela entrou no meu carro e fomos ao shopping, chegando lá fomos a lanchonete que serve aquele café expresso, essa era a vontade dela tomar café expresso, sentamos numa mesa, conversamos um tempão,

 mas notei que ela estava muito inquieta por estar comigo provavelmente medo que alguém a visse, percebi e sugeri sairmos dali, ainda eram duas horas da tarde estacionei o carro em uma ruela meio deserta, começamos a conversar e eu a passar a mão em suas pernas, ela estava muito inquieta com aquela situação e meu assédio talvez , então falei Simone vamos a um lugar discreto só nós dois, ela percebeu minha intenção e se negava, eu tentando convence-la, falei que desde que transamos naquela vez eu fiquei ainda com mais desejo, falei que eu queria faze-la uma mulher completa, dar todos os carinhos que não pude dar  naquela vez, todo carinho que o seu marido não lhe dava, queria lhe dar prazer… mesmo assim ela dizia não, falei então tá bom, funcionei o carro ai dali, eu já tinha previamente programado meu GPS para o endereço do motel, enquanto andávamos percebi seu vestido subir um pouco e mostrar parcialmente suas pernas  eu eu ia andando e ela me perguntando onde a gente ia, eu desconversava.. até que depois de meia hora de viagem parei na frente de um motel, dessa vez não entrei na portaria estacionei olhei pra ela e disse olha Simone, aqui está o motel, mas não quero como a vez passada.. quase te obriguei, dessa vez eu quero

você por inteiro. quero que você tenha tanto prazer quanto eu… enquanto eu falava minhas mãos acariciavam suas coxas, ela continuava se negando mas já não com tanta enfase…. foi quando eu falei olha, eu vou entrar na portaria, e se você não quiser mesmo não vou força-la, é só você falar que  eu dou ré e te deixo em casa, dizendo isso coloquei o carro em marcha, enquanto eu me dirigia para a portaria ela ajeitou seu vestido cobrindo-lhe as pernas novamente, entrei na portaria ela não disse nada… peguei a chave e entramos, dessa vez apesar dela estar um tanto quanto receosa, mas estava indo espontaneamente, eu tinha a  certeza de que dessa vez a coisa seria diferente e aproveitaríamos a cada momento a sós….. de todas as formas….. eu era tarado por aquela mulher…. dessa vez apesar de toda a timidez dela ela estava entrando sem protestar, olhei pra ela e falei voce não vai se arrepender.

Como tínhamos bastante tempo não quis fazer nada apressadamente, mesmo porque eu queria ter outras vezes com ela, e a melhor forma de se conseguir isso é deixar a mulher bem maluca de tesão e desejo, então

 entramos, desta vez ainda de pé abracei-a e beijei sua boca que não fui retribuído imediatamente, mas aos poucos ela foi relaxando e nossas línguas já entrelaçavam dentro a boca, meu pau tava duro duro, puxei ela contra meu corpo de forma que ela sentisse meu pau mesmo dentro da calça ainda, fui ao poucos me despindo e despindo-a também, retirei seu vestido por cima deixei-a só e calcinha e sutiã, que visão maravilhosa, na primeira vez eu tive que transar com ela praticamente vestida só tirei a sua calcinha por baixo do vestido, agora ela esta ali a minha disposição para eu fazer o que

 quisesse com ela tirei finalmente toda a sua roupa e encostei-a na parede como ela era pequena e leve, levantei-a até a altura da minha cintura e encaixei-a no meu pau para termos a primeira foda da tarde de forma maravilhosa eu nem acreditava, mas estava metendo naquela baixinha gostosa da Simone, e dessa vez ela estava numa entrega total, compartilhando a cada momento junto, e não demorou muito para explodir em gozo novamente, nem tínhamos chegado na cama e já tínhamos gozados juntos, aquela tarde prometia, eu queria ensinar muitas coisas para aquela mulher recatada que até então provavelmente jamais sonhara em ter uma aventura extra conjugal, ela ia descobrir as maravilhas do sexo oral, e do anal, eu estava disposto a ensinar tudinho tudinho, e ensinei, e vou relatar alguns pormenores.

Aquela mulher estava sedenta de sexo, o marido não lhe  satisfazia mais, depois da primeira vez comigo no motel acho que ela gostou senão não teria aceitado a sair comigo novamente, e eu estava todo satisfeito da

vida, depois da gente ter transado e pé, fomos ao banheiro tomar um banho, banho este que eu fiz questão de ensaboar seu corpo todo, massagear seus peitinhos que eram pequenos mas bem redondinhos, fiz questão de massagear seu clitoris com o sabonete para deixa-la ainda mais com tesão…. nesse meio de tempo ela falava pouco ou quase nada então eu perguntei-lhe … Simone está gostando?? Ela afirmou com a cabeça que sim e balbuciou, mas não tá certo, eu falei-lhe mas nem começamos ainda, e ela perguntou e tem mais?? Falei.. claro ou voce pensa que a gente veio ao motel só pra dar aquela transadinha na entrada, aquilo foi só uma preliminar, agora é que voce vai sentir prazer mesmo…. ela meio espantada com minha afirmação falou sério??? Pensei. que… eu interrompi na hora com um beijo e falei, já já voce vai ver, ver não vai sentir.fechei a agua peguei-a no colo e a levei até a cama, ela nua na minha frente esperando pela minha investida, mas eu estava decidido a não ser apressado, então

comecei a beijar-lhe os lábios, descendo pelo pescoço, enquanto eu a beijava minha mão lhe masturbava ela se contorcia, beijei seu umbigo, parei um tempão na barriga, lambendo, enfiando minha lingua no buraquinho do umbigo, até que finalmente abri-lhe suas pernas e enfiei minha cara no meio das coxas e comecei a dar-lhe um trato de lingua na bucetinha, hum que cheiro bom de sexo, ela gemia de prazer agarrava meus cabelos e fechava a coxa na minha cara quase me sufocando tal era o êxtase que ela se encontrava, eu lambia como um cachorrinho, de baixo pra cima devagar, ela dizia não pare… e assim foi até que ela gozou sem que eu tirasse minha boca seus espasmos me excitavam ainda mais, meu pau tava duro querendo mais, então lhe abri as pernas co
loquei meu pau na entrada daquela gruta

que estava toda melada de tesão, e soquei tudo pra dentro numa só estocada, bombei algumas vezes não demorei pra gozar, então falei Simone, como ultima lição do dia eu vou te comer por traz tá, ela disse que nunca tinha feito que tinha medo e não queria, mas eu insisti, como de certa maneira ela estava sendo minha aluna sexual, acabou cedendo, então a coloquei de quatro me posicionei por traz, lubrifiquei com minha própria saliva, e antes de enfiar no rabo dela enfiei na buceta porque tava melada e pra lubrificar melhor, com o dedo eu tb peguei da própria lubrificação dela pra lubrificar o cuzinho até que resolvi dar uma estocada de leve, eu sabia que ela iria reclamar era a primeira vez, eu estava sendo o privilegiado de tirar aquelas preguinhas virgens ainda, enfiei um pouquinho ela gritou aiiiiii… aliviei a pressão mas logo em seguida tentei de novo ela gritou novamente aliviei, pensei comigo se eu quiser comer esse cuzinho vai tar que ser meio forçado, então agarrei-a pela cintura e numa estocada eu enfiei tudo duma só vez, ela urrou de dor, reclamou bastante mas eu estava segurando firme e bombei bastante até gozar….. quando gozei e tirei meu pau de dentro ela quase chorando disse-me que jamais sairia comigo de novo porque eu a machuquei….., então eu pedi mil desculpas disse que realmente fui bruto, que não se repetiria enfim fiz de tudo pra acalma-la…, apesar dela ter dito que jamais sairia comigo novamente a gente de vez em quando sai até hoje, e o sexo anal, agora ela já não reclama mais….

Posso dizer sem medo de errar que.. fui eu quem abriu os novos horizontes daquela mulher, não foi só os novos horizontes que eu abri, alem dos  novos horizontes e o buraquinho de traz também…….

One Reply to “A IRMÃ CRENTE DA MINHA NAMORADA”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *